terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Brasiléo entrevista Ana Paula dos Indígenas



Como foi sua infância?


A minha infância foi muito divertida eu quando era pequena gostava muito de brincar de esconde-esconde como meus amigos roda-roda agente gostava de brincar de bandeirinha e quando eu fiquei mais adolescente eu gostava muito de jogar vôlei e ainda gosto.


Você tinha algum apelido quando era criança?


Tenho até hoje “dedinho” por quê? Porque eu estava brincando um dia com minha amiga e ela pisou no meu dedo e eu machuquei o dedinho e chorei muito e colocaram o meu apelido de dedinho.


Com que idade você aceitou a Jesus e como foi?


Foi maravilhoso a minha vida começou a partir daquele momento.


E como foi seu desejo de sair do pais, receber este chamado missionário?


Eu nunca pensei, eu não sabia nada sobre a história a dos índios do nosso pais e eu fui fazer seminário em 2001, ai eu pensava em somente fazer o seminário e ir para a minha igreja trabalhar como missões urbanas, evangelismo gostava muito de dançar dança de rua- hip hop, trabalhar como palhaço, circo, estas coisas... mais ai Deus me mostrou em uma visão eu trabalhando em um lugar junto com os índios, ai eu pensei... “acho que agora eu estou louca, né?”, mais ai com o tempo Deus foi ma mostrando que aquilo era um chamado e tudo foi se confirmando se encaminhando para que eu realmente estivesse na tribo trabalhando com os índios, mas para estalar este trabalho demorou seis anos, somente depois de seis anos que eu foi chegar até os índios.


E há quanto tempo você esta no campo missionário?


Dois anos.


E o que você mais gosta da vida de missionário?


O que eu mais gosto é me relacionar com as pessoas, eu amo cuidar das pessoas. Também a experiência que a cada dia eu tenho tido com Deus de dependência dele isso é maravilhoso não tem preço.


E como é o lugar La na aldeia?


La na aldeia é tudo muito diferente no meio você vê o rio e nos lados você só vê mato barulho dos animais a noite é muito escuro, muito silencio, é muito bom.

Nenhum comentário:

Postar um comentário